Todo dia é dia…

De sorrir, mesmo que seja um sorrisinho só.
De conversar com quem você ama.
De ouvir sua música preferida.
De ouvir aquela voz tão querida.
De respirar fundo e receber o presente da vida.
De correr, mesmo que seja em pensamento.
De voar nas asas da imaginação daquele sentimento.
De falar “se cuida”, “eu te amo”, “sinto sua falta”.
De agradecer pelas pessoas queridas, por tudo.
De olhar pra cima e ver o céu azul.
De sentir o vento levando a dor, alividando o calor.
De sentir os pingos de chuva no rosto.
De tocar as pessoas e o violão.
De cantar alguém e acalmar com uma canção.
De brincar com quem gosta de brincar.
De caminhar descalço na grama..
De ver o nascer e o pôr-do-sol.
De admirar a lua e as estrelas e saber que há um Deus que preenche os teus dias.
De saber, ao final, que aquele dia foi uma pequena vida sorrindo pra você.

Distante

Estou distante no tempo
Sem tempo, precisando de tempo
Muito longe e muito perto
Quase chegando lá
Quase saindo daqui
Estou longe
Viajei para algum lugar bem longe
Ainda não saí de lá
Vem me buscar
Preciso me atualizar
Preciso me concluir
Preciso te beijar
Mas, oh!
Fiquei presa no tempo,
No meu castelo de areia na beira do mar
Não faz sentido
Faz sentido se eu sinto
Fará sentido se eu não quiser voltar?
Faria sentido se eu saísse daqui?
Fará sentido se eu chegar lá?
Eu quero
É muito bom querer coisas e uma só pessoa.
Mas eu estou distante, longe.
Quem sabe quando eu mudar de endereço, eu volte!

Livre é a libélula


Livre é a libélula, ela voa para pousar na água.
Livre, leve é a libélula, sem o peso diário, sem contas, só a paz no vento a sorrir.
E se encontra com outras libélulas para brincar, amar ou simplesmente…
libelular, libelulir…

Ah! se como a libélula eu pudesse voar livremente por aqui e por acolá.
Cintilando suas asas por outros campos.
Encantando seus olhos pelos cerrados.
Libelulando seus prazeres pelos vales de lagos plácidos.

Poderia dizer que livre seria senão somente meu coração de libélula tornasse.
Mas igualmente meus olhos e tudo em mim, numa metamorfose surreal
transformasse,
minha essência em libélula de asas douradas,
de corpo esguio e aerodinâmico,
de sorriso livre e sem desânimo,
– voar –
sem destino e com destino de um canto,
no coração de um lupino,
que captura e liberta a libélula,
fazendo dela seu hino.

Livre é a libélula ressonante a voar,
como um uivo de lobo ao luar.

•♥•

Série poemas do meu ♥ de libélula.

No Petleis Bad dream – Keane
Foto – http://www.inmagine.com
Animação de água feita por mim no PhotoImpact

Criatividade

Criativo foi Deus que fez a lua.
Criativo em todo os desígnios para os quais a criou.
Criativo ao colocá-la nas alturas,
amávelmente em seu lugar de passeio.
Criativo ao estipular as fases,
ora sorrindo, ora crescendo, ora repleta, ora minguando.
Criativo ao desenhá-la redonda e ligeiramente assimétrica.
Criativo ao pintá-la de branco, azul, cinza, amarelo, vermelho, furta-cor.
Criativo ao fazê-la refletir a luz do sol.
Criativo ao dar a ela eclipses.
Criativo em todas as combinações que lhe renderiam a
inspiração para inúmeros poemas e canções.
De criatividade foi forjada a lua.
Há criatividade no seu fino acabamento
e na tranquilidade que advém de um dos seus mares.
Ser criativo é pensar em algo simples e grande ao mesmo tempo.
É transformar esse pensamento abstrato em rocha e titânio.
É fazer rocha e titânio brilhar qual pérola encantada.
É deixar toda a gente, maravilhada.

•♥•
do meu ♥ de libélula.
no Petleis “Like a Star” Corine Rae
foto por Brainloc

O pássaro que não sabia cantar


O PÁSSARO QUE NÃO SABIA CANTAR
de Vagner Albino {especialmente para este blog}

O dia nascia torto
todo dia
para o pássaro que não sabia cantar

em cada novo momento
na garganta engasgava o choro
sempre tão afoito
em busca de se expressar

ele não entendia
ele não sabia
do aprimoramento a conquistar

mas quando o canto guia
do pássaro mestre
soou no esplendor do escutar
o pequeno pássaro então soube
o quanto ele tinha que superar

então
em cada novo dia
ao invés do choro
sorria

o jovem pássaro passava a acompanhar
os versos sábios e melódicos
daquele outro que muito tinha a lhe ensinar.

•♥•
Foto do passarinho – http://www.1000imagens.com

Estudantes

“Coração de estudante
E há que se cuidar da vida

E há que se cuidar do mundo
Tomar conta da amizade

Alegria e muito sonho

Espalhados no caminho

Verdes: plantas e sentimento

Folhas, coração, juventude e fé.”

~Milton Nascimento
•♥•

Estudantes

Bebês não estudam…
e não poluem o meio ambiente;

não maltratam os animais;
não são corruptos;
não desrespeitam os mais velhos,
não são suicidas

Animais não estudam…
e não poluem o meio ambiente;
não praticam violência entre si;
não são corruptos;
cuidam uns dos outros;
perdoam a maldade que é feita à eles,
não suicidam-se.

Árvores não estudam…
e não poluem o meio ambiente;
não maltratam os animais;
não brigam entre si;
não são corruptas,
não são suicidas.

E nós, os estudantes?
poluímos o meio ambiente?
maltratamos os animais?
somos violentos uns com os outros?
respeitamos as crianças e os idosos?
somos corruptos?
somos covardes?
somos?

Se a maioria das respostas forem afirmativas,
então bebês, animais e árvores fazem outra pergunta:

“Estudar para quê?”

•♥•

poema do meu ♥ de libélula [revoltado]
no petleis “Coração de Estudante” de Milton Nascimento

imagem – http://www.inmagine.com